Categorias
biologia imagens notas

O blastóporo dos embriões de briozoários

Este é um embrião de briozoário mostrando seu blastóporo. Estes animais são discretos porém quase onipresentes nos mares e lagos do mundo todo.

Embrião de briozoário durante gastrulação mostrando seu blastóporo.
Embrião do briozoário Membranipora membranacea sob microscopia confocal.

O que vemos é o DNA dentro do núcleo das células desse embrião. O degradê de cores indica se os núcleos estão mais perto (amarelo) ou mais longe (roxo) da câmera do microscópio.

As células embrionárias se arranjam em círculo e formam uma abertura na parte central que chamamos de blastóporo. Esta abertura, nos briozoários, vai se tornar a boca do animal quando o embrião crescer.

Você pode acompanhar o processo em vídeo ou conhecer mais detalhes no artigo.

E a nossa boca, vem de onde?

Categorias
biologia imagens notas

Larva de um braquiópode

Larva de um braquiópode Terebratalia transversa sob microscopia confocal.
Terebratalia transversa (Sowerby, 1846)
Óleo sobre tela
167.95 µm × 167.95 µm
Categorias
biologia imagens notas

A superfície da larva pilídio

Larva pilídio de um nemertíneo
Cílios que recobrem a larva pilídio de um nemertíneo, um invertebrado marinho. Menção honrosa no Olympus BioScapes 2014.
Categorias
biologia imagens notas

Embrião de lula

Imagem fabulosa de um embrião de lula! Os núcleos da células estão em azul, sistema nervoso em rosa e cílios de células epiteliais em verde. O globo do lado esquerdo é o saco de vitelo e o cifão já está formadinho.

A imagem foi tirada durante o curso de embriologia de Woods Hole e é uma das candidatas para a capa da revista científica Development. A votação está aberta para quem quiser (clique no link acima).

Categorias
notas biologia imagens

Larva plúteos no confocal

Larva plúteos
Larva plúteos de Clypeaster subdepressus sob microscopia confocal.

A preparação é uma lâmina total de larvas ~36h após a fertilização, corada com carmin. Depois da captura da seqüência de imagens (no eixo z) no confocal, a informação de profundidade foi codificada em cores de modo que estruturas que têm a mesma cor estão no mesmo plano focal. Em seguida foi feita a projeção que junta todos os planos focais numa única foto.

A seqüência de imagens foi tirada por A.S. de Souza no Instituto Butantan durante uma aula da profa Toshie Kawano.