Categorias
artigos aplicativos imagens

Primeiro teste com o seam-remover no ImageJ

A pouquíssimo tempo coloquei um vídeo sobre um novo método de redimensionar imagens digitais sem causar grandes deformações na imagem, o Seam Carving for Content-Aware Image Resizing. Imaginei que iria demorar pra que um programa fosse lançado para uso comum, e… realmente ainda não foi lançado nada.

No entanto, Johannes Schindelin acabou de divulgar um plugin do ImageJ que utiliza o mesmo conceito de omitir linhas com menor energia, ao redimensionar imagens. Essa é uma primeira versão, e como ele mesmo disse, ainda está bem crua em termos de funcionalidades, mas o fato é que… funciona!

Vejam aqui o teste que eu fiz!

Original (1280 x 800 pixels):

screenshotnelas

Original mostrando linha vertical de menor energia na janela do ImageJ:

seam marked

Imagem somente com a largura reduzida de 1280 para 800 pixels usando o plugin seam-remover:

screenseamed

Imagem redimensionada pelos métodos convencionais (mesma redução de 1280 para 800 pixels):

screenscaled

Funciona, não?

Fora alguns artefatos na barra inferior o resto até que ficou bom! O jovem exemplar de bolacha do mar (bichinho da foto) saiu quase intacto da manipulação!

Categorias
notas pessoal

O último dos porteiros

Diante da lei está um porteiro. Um homem do campo dirige-se a este porteiro e pede para entrar na lei. Mas o porteiro diz que agora não pode permitir-lhe a entrada. O homem do campo reflete e depois pergunta se então não pode entrar mais tarde. “É possível”, diz o porteiro, “mas agora não”. Uma vez que a porta da lei continua como sempre aberta, e o porteiro se põe de lado, o homem se inclina para olhar o interior através da porta. Quando nota isso, o porteiro ri e diz: “Se o atrai tanto, tente entrar apesar da minha proibição. Mas veja bem: eu sou poderoso. E sou apenas o último dos porteiros. De sala para sala, porém, existem porteiros cada um mais poderoso que o outro. Nem mesmo eu posso suportar a visão do terceiro”. O homem do campo não esperava tais dificuldades: a lei deve ser acessível a todos e a qualquer hora, pensa ele; agora, no entanto, ao examinar mais de perto o porteiro, com seu casaco de pele, o grande nariz pontudo e a longa barba tártara, rala e preta, ele decide que é melhor aguardar até receber a permissão de entrada. O porteiro lhe dá um banquinho e deixa-o sentar-se ao lado da porta. Ali fica sentado dias e anos. Ele faz muitas tentativas para ser admitido, e cansa o porteiro com os seus pedidos. Muitas vezes o porteiro submete o homem a pequenos interrogatórios, pergunta-lhe a respeito da sua terra e de muitas outras coisas, mas são perguntas indiferentes, como as que costumam fazer os grandes senhores, e no final repete-lhe sempre que ainda não pode deixá-lo entrar. O homem, que havia se equipado para a viagem com muitas coisas, lança mão de tudo, por mais valioso que seja, para subornar o porteiro. Este aceita tudo, mas sempre dizendo: “Eu só aceito para você não achar qie deixou de fazer alguma coisa”. Durante todos esses anos, o homem observa o porteiro quase sem interrupção. Esquece os outros porteiros e este primeiro parece-lhe o único obstáculo para a entrada na lei. Nos primeiros anos, amaldiçoa em voz alta o acaso infeliz; mais tarde, quando envelhece, apenas resmunga consigo mesmo. Torna-se infantil, e uma vez que, por estudar o porteiro anos a fio, ficou conhecendo até as pulgas da sua gola de pele, pede a estas que o ajudem a fazê-lo mudar de opinião. Finalmente a sua vista enfraquece e ele não sabe se de fato está escurecendo em volta ou se apenas os olhos o enganam. Contudo, agora reconhece no escuro um brilho que irrompe inextinguível da porta da lei. Mas já não tem mais muito tempo de vida. Antes de morrer, todas as experiências daquele tempo convergem na sua cabeça para uma pergunta que até então não havia feito ao porteiro. Faz-lhe um aceno para que se aproxime, pois não pode mais endireitar o corpo enrijecido. O porteiro precisa curvar-se profundamente até ele, já que a diferença de altura mudou muito em detrimento do homem. “O que é que você ainda quer saber?”, pergunta o porteiro. “Você é insaciável.” “Todos aspiram à lei”, diz o homem. “Como se explica que, em tantos anos, ninguém além de mim pediu para entrar?” O porteiro percebe que o homem já está no fim, e para ainda alcançar sua audição em declínio, ele berra: “Aqui ninguém mais podia ser admitido, pois esta entrada estava destinada só a você. Agora eu vou embora e fecho-a”.

Livro: O Processo
Autor: Franz Kafka
Páginas: 214-215
Categorias
notas aplicativos imagens

Redimensionando imagens com seam carving

Novo jeito de redimensionar imagens sem distorcer as proporções. Muito interessante para o meio artístico! Só o nome é meio bizarro: Seam Carving for Content-Aware Image Resizing.

Aqui tem um artigo em pdf (download lento) com mais informações.

Categorias
aplicativos artigos

Línuquis

Há cinco meses atrás resolvi, finalmente, fazer algo que estava planejado faz tempo. Instalar uma distro do Linux (Ubuntu Edgy) no meu computador. Fiz um dual boot com o Windows XP, que já estava instalado na máquina, e passei horas a fio usando/aprendendo sobre o novo sistema. Desde então venho me divertindo bastante no mundo digital.

Como eu fico um tempo razoável no computador, o linux acabou virando assunto, do dia-a-dia, no bar, no trabalho, nas festas é linux pra cá, linux pra lá, blá, blá, blá… típico de um novo usuário. Como o mascote do linux é um pingüim, o Tux criado por Larry Ewing, acabou sobrando até para um certo pingüinzinho de geladeira cuja dona, Ju Roscito, nomeou-o de Línuquis.

Até aí tudo bem, até que vi o recém-batizado pingüinzinho! Achei muito bom, hehe!

Resolvi, então, criar umas imagens e disponibilizar aqui, na esperança de que alguém mais habilidoso possa criar imagens bacanas com o Línuquis!

Fiz alguns fundos de tela 1280×800 e algumas imagens mais experimentais. Aliás, tudo foi meio experimental…! Depois coloco outros ângulos dele (sim, ele tem olhos, mas não estão aparecendo).

Linuquis Recortado

Original e fundos de tela