Línuquis

Há cinco meses atrás resolvi, finalmente, fazer algo que estava planejado faz tempo. Instalar uma distro do Linux (Ubuntu Edgy) no meu computador. Fiz um dual boot com o Windows XP, que já estava instalado na máquina, e passei horas a fio usando/aprendendo sobre o novo sistema. Desde então venho me divertindo bastante no mundo digital.

Como eu fico um tempo razoável no computador, o linux acabou virando assunto, do dia-a-dia, no bar, no trabalho, nas festas é linux pra cá, linux pra lá, blá, blá, blá… típico de um novo usuário. Como o mascote do linux é um pingüim, o Tux criado por Larry Ewing, acabou sobrando até para um certo pingüinzinho de geladeira cuja dona, Ju Roscito, nomeou-o de Línuquis.

Até aí tudo bem, até que vi o recém-batizado pingüinzinho! Achei muito bom, hehe!

Resolvi, então, criar umas imagens e disponibilizar aqui, na esperança de que alguém mais habilidoso possa criar imagens bacanas com o Línuquis!

Fiz alguns fundos de tela 1280×800 e algumas imagens mais experimentais. Aliás, tudo foi meio experimental…! Depois coloco outros ângulos dele (sim, ele tem olhos, mas não estão aparecendo).

Linuquis Recortado

Clique no Línuquis para ver as imagens!

Quanta sopa!

… ― Quanta sopa! ― exclamou Gurdulu, inclinou-se dentro da marmita como se avançasse sobre uma sacada, e com a colher raspava sem parar a fim de arrancar o conteúdo mais precioso de cada marmita, isto é, a crosta que permanece presa nas paredes.― Quanta sopa! ― reboava sua voz dentro do recipiente, que, no seu temerário debater-se, entornou em cima dele.Agora Gurdulu estava prisioneiro na marmita virada. Dava para escutá-lo batendo a colher como num sino surdo e sua voz mugindo: “Quanta sopa!”. Depois a marmita se mexeu como uma tartaruga, revirou-se outra vez, e Gurdulu reapareceu.

Estava encharcado de sopa de repolho da cabeça aos pés, manchado, gorduroso, e além disso sujo de fumaça. Com o caldo que lhe escorria sobre os olhos, parecia cego e avançava gritando: “Tudo é sopa!”, com os braços para frente como se nadasse, e não via nada além da sopa que lhe recobria os olhos e o rosto, “Tudo é sopa!”, e numa das mãos brandia a colher como se quisese puxar para si colheradas de tudo aquilo que havia ao redor: “Tudo é sopa!”

Aquela visão provocou em Rambaldo uma perturbação capaz de fazer-lhe rodar a cabeça: mas era mais uma dúvida que um arrepio – que aquele homem que girava ali na frente sem enxergar tivesse razão e o mundo não fosse nada mais que uma imensa sopa sem forma em que tudo se desfazia e tingia com sua substância todo o existente. “Não quero me tornar sopa: socorro!”…

Livro: O Cavaleiro Inexistente

Autor: Italo Calvino

Páginas: 53-54

Nature Precedings

A Nature Publishing Group acaba de lançar um serviço bastante promissor chamado Nature Precedings. Nele você pode publicar artigos, carregar apresentações, posters apresentados em congressos antes de submeter o trabalho efetivamente para uma revista especializada. É o espaço que faltava para expor idéias mais ousadas que não tem espaço no formato das revistas convencionais.

Nature Precedings

Ao enviar seu trabalho ele é checado para verificar sua seriedade, mas não é revisado (peer-review). A idéia é que as revisões e discussões aconteçam no próprio site. E não precisa se preocupar em ter a sua idéia genial roubada por alguém, pois os artigos recebem uma identificação digital (DOI) que permite que sua citação. O único cuidado a ser tomado é verificar se a revista que você pretende publicar o seu trabalho vai aceitá-lo se você colocar no Nature Precedings. Como muitas revistas exigem conteúdo original nunca antes disponível, as revistas podem encasquetar se você já tiver colocado suas idéias ou mesmo o artigo pré-revisão online.

A Nature anda investindo pesado nas mídias digitais para dinamizar a ciência. Além de contar com um site repleto de feeds, blogs e ainda ter seu podcast, ela lançou recentemente o Connotea (um gerenciador de referências online), o Nature Network (o myspace/orkut para cientistas) e o Scintilla (um agregador para filtrar e personalizar conteúdo para cientistas). Muitas ferramentas novas para experimentar! Agora, até a comunidade científica aderir a estas novas tendências digitais ainda vai demorar…

PLoS One

Só pra não deixar em branco gostaria de falar da revista PLoS One, que foi especialmente desenhada para otimizar a discussão dos artigos lá publicados. É possível fazer comentários, anotações específicas, ou começar uma discussão sobre o artigo. Tudo isso para dinamizar a ciência! Eu acho um modelo muito bom, as pessoas só precisam se acostumar a fazer isso… Ah, e como o acesso aos artigos é aberto qualquer pessoa pode fazer comentários, não precisa ser doutor ou sabichão em algum assunto. Já comentei sobre a PLoS nos desertores para quem se interessar mais.

Estou testando esses serviços novos e algum eu volto a falar sobre eles!

O Garoto Diarréia Mental

Garoto Diarréia Mental

Criei um personagem pela primeira vez e fiz um roteiro de sua história. Passei o roteiro pro ninja que fez a animação, e por fim eu inventei uma musiquinha tema! A animação pode ser vista aqui.

Não entrarei nos detalhes da história, o legal é descobrir vendo a animação 😉

Garoto Diarréia

 

A música tema do Garoto DiarréiaMental pode ser ouvida no meu álbum no Jamendo ou abaixo:

Garoto Diarréia Mental

Disponibilizei através do ccMixter um kit de remix para quem quiser utilizar! Entre na página ou baixe o arquivo zip (arquivos de áudio estão no formato FLAC – para transformar em WAV ou qualquer outro formato utilize o MediaCoder ou o SoundConverter).

Remixem à vontade! Quem quiser pode me mandar pra eu ouvir!