Nos bastidores do Oceano

A exposição Oceano: vida escondida está se aproximando do milésimo visitante! No primeiro fim de semana tivemos cerca de 350 visitantes e neste último atingimos 436 nomes no livro de visita (e vááárias pessoas saíram sem assinar!). O site passou dos 2000 visitantes desde sua inauguração!

Para quem não viu ainda não deixe de visitar! Acabei de criar este slideshow com as fotos, para quem não viu ainda! Para quem quiser divulgar é só clicar no “on SlideShare” e copiar e colar o código.

Aproveito também para divulgar algumas fotos dos bastidores da exposição. Sempre dá muito mais trabalho do que parece…

vida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondidavida escondida

A exposição vai até 19 de outubro, depois disso ela irá outros locais! Aguarde novidades.

OCEANO: vida escondida

Acabou de entrar no ar o site da exposição OCEANO: vida escondida!!!

Crustaceo

É uma exposição com fotos de vários organismos marinhos com o intuito de divulgar a beleza destes seres, que na maioria das vezes passa despercebida… só os biólogos marinhos acabam vendo essas raridades!

São fotos bem bacanas como essas!

Ouriço

Como eu também participei da organização e com fotos, vou tentar colocar algumas informações extras sobre estes organismos!

O endereço do site para mais informações (e muito mais fotos!) é:

www.usp.br/cbm/oceano

Depois coloco as aventuras para desenvolver o site…!

ps: veja mais informações nos desertores.

Nature Precedings

A Nature Publishing Group acaba de lançar um serviço bastante promissor chamado Nature Precedings. Nele você pode publicar artigos, carregar apresentações, posters apresentados em congressos antes de submeter o trabalho efetivamente para uma revista especializada. É o espaço que faltava para expor idéias mais ousadas que não tem espaço no formato das revistas convencionais.

Nature Precedings

Ao enviar seu trabalho ele é checado para verificar sua seriedade, mas não é revisado (peer-review). A idéia é que as revisões e discussões aconteçam no próprio site. E não precisa se preocupar em ter a sua idéia genial roubada por alguém, pois os artigos recebem uma identificação digital (DOI) que permite que sua citação. O único cuidado a ser tomado é verificar se a revista que você pretende publicar o seu trabalho vai aceitá-lo se você colocar no Nature Precedings. Como muitas revistas exigem conteúdo original nunca antes disponível, as revistas podem encasquetar se você já tiver colocado suas idéias ou mesmo o artigo pré-revisão online.

A Nature anda investindo pesado nas mídias digitais para dinamizar a ciência. Além de contar com um site repleto de feeds, blogs e ainda ter seu podcast, ela lançou recentemente o Connotea (um gerenciador de referências online), o Nature Network (o myspace/orkut para cientistas) e o Scintilla (um agregador para filtrar e personalizar conteúdo para cientistas). Muitas ferramentas novas para experimentar! Agora, até a comunidade científica aderir a estas novas tendências digitais ainda vai demorar…

PLoS One

Só pra não deixar em branco gostaria de falar da revista PLoS One, que foi especialmente desenhada para otimizar a discussão dos artigos lá publicados. É possível fazer comentários, anotações específicas, ou começar uma discussão sobre o artigo. Tudo isso para dinamizar a ciência! Eu acho um modelo muito bom, as pessoas só precisam se acostumar a fazer isso… Ah, e como o acesso aos artigos é aberto qualquer pessoa pode fazer comentários, não precisa ser doutor ou sabichão em algum assunto. Já comentei sobre a PLoS nos desertores para quem se interessar mais.

Estou testando esses serviços novos e algum eu volto a falar sobre eles!

Óvulo

O que vocês veêm abaixo é a superfície de um óvulo de uma bolacha-do-mar. O nome da espécie é Clypeaster subdepressus e eu utilizo os gametas para estudar seus embriões. Neste caso, tirei 40 fotos de diferentes planos focais, corrigi flutuações de luminosidade e fiz uma montagem juntando todos os planos numa única foto. Depois disso comecei a brincar com os contornos e o resultado foi isso aí. As cores nada tem a ver com o óvulo original.

Óvulo

Essas fotos foram tiradas no microscópio, já que este óvulo tem menos que 0,5 mm de diâmetro!

Super Digital

Inicio aqui uma série de tópicos visuais, onde colocarei imagens relacionadas com meu trabalho!

Além das fotos mostrando seres esquisitos vou colocar um pouco dos experimentos que faço com minhas imagens. Acho bem legal ficar brincando com essas ferramentas digitais e às vezes passo horas só testando as infinitas possibilidades.

Na maioria dos casos utilizo o GIMP para pós-produção e efeitos artísticos em conjunto com o ImageJ.

O ImageJ é um programa de processamento de imagens voltado para a academia, e está cada vez mais popular e em constante desenvolvimento por dois simples motivos: Ele é livre e conta com uma comunidade razoável de usuários. Isso permite que cada um modifique ou crie plugins de acordo com suas necessidades, e como a ciência é um ambiente colaborativo (ou pelo menos deveria ser), grande parte destas ferramentas estão disponíveis para todos!

Sem mais delongas, a imagem abaixo é uma projeção 3D da superfície de um óvulo de uma bolacha-do-mar sobre a qual falarei mais no próximo tópico.

Super Digital